Nós do Laboratório Great Plains, Inc. estamos felizes em anunciar o nosso exame de fosfolipase A2 (PLA2) recentemente desenvolvido. Este teste mede a atividade de PLA2 na urina. Nós somos o único laboratório comercial oferecendo atualmente a medição do nível da PLA2 na urina. PLA2 é elevado em uma ampla gama de transtornos relacionados com a inflamação e é considerado um bom marcador para risco aumentado de desenvolvimento ou agravamento de condições inflamatórias. Níveis de PLA2 podem ser facilmente combinado com o teste de ácido orgânico (microbiano ou total), oferecendo uma nova e poderosa visão clínica.

Picadas de abelhas e picadas de cobras venenosas causam inflamação imediata, resultando em dor e inchaço. A enzima de veneno em que desencadeia esta resposta imunológica é fosfolipase2. Esta enzima também está presente no tecido humano. Durante a infecção, PLA2 ativa uma cascata que resulta na destruição das membranas celulares de micróbios invasores. Os sub-produtos da reação PLA2 responsável por eliminar estes organismos, lisolecitinas e ácidos graxos livres, são os detergentes poderosos que causam danos nas membranas celulares, desnaturam as proteínas, e atrapalham a sua função. No entanto, este mecanismo de morte tem um custo para o hospedeiro humano. Produtos de Lisolecitina estão envolvidos na resposta de dor e causam hemólise de eritrócitos. O ácido graxo livre mais comum produzido pela PLA2é o ácido araquidónico, o que pode aumentar a produção de mediadores potentes de inflamação: prostaglandinas, leucotrienos, tromboxanos, e coletivamente denominados eicosanóides. Liberação desses mediadores inicia a dor, inchaço e outros sintomas desagradáveis que experimentamos como parte de uma resposta inflamatória.

PLA2 em excesso não só causa danos local, mas pode ser transportado pelos vasos sanguíneos para outras partes do corpo, causando dano tecidual generalizada. Quantidades normais de PLA2 estão envolvidas na remodelação das membranas celulares e mudando a arquitetura celular, mas liberação sustentada de PLA2 e a inflamação resultante é implicada no desenvolvimento de doenças crônicas, incluindo esclerose múltipla, doenças cardiovasculares, artrite reumatóide, distúrbios gastrointestinais, alergias e distúrbios neuropsiquiátricos

O QUE CAUSA A ELEVAÇÃO DA FOSFOLIPASE A2?

Uma grande dose de PLA2 é dada em veneno de cobras, aranhas e abelhas (sentidas como dor e ardor) e é responsável por grande parte da toxicidade desses venenos. Microorganismos tais como a Candida albicans e certas espécies de Clostridia produzem PLA2, que aumenta a capacidade dos microorganismos de infectar o hospedeiro. Esta mesma enzima é produzida no corpo como uma resposta à invasão de microorganismos e proteínas estranhas tais como alérgenos, particularmente a poeira de casa e de gatos. Trauma físico também pode causar aumentos significativos em PLA2, contribuindo para a lesão de tecidos de danos cerebral. Fosfolipase A2 é na verdade uma família de enzimas que são categorizados por localização e função. Eles têm fortes propriedades antibacterianas e antivirais como parte do sistema imunitário inato, mas também participarem em muitos outros processos bioquímicos que incluem a sinalização celular, proliferação celular e diferenciação, migração celular, apoptose e modulação da resposta inflamatória.

 

PLA2 não é apenas liberado em tecidos e células do sistema imunológico, também é produzida pelo pâncreas e liberada no intestino após uma refeição gordurosa, para auxiliar na digestão e absorção dos fosfolípidos. Além disso, a PLA2 é expressa em tecido neuronal e está envolvido no processo de degranulação que libera neurotransmissores dos neurônios. Os esforços em pesquisas têm-se centrado sobre o papel que o desequilíbrio que a atividade de PLA2 normal tem na etiologia de muitas doenças crônicas. As funções específicas, interações e interdependências de PLA2 tem sido uma grande área de interesse no que se refere a condições inflamatórias crônicas, doenças cardiovasculares e câncer.

 

FOSFOLIPASE A2 E DOENÇAS INFLAMATÓRIAS

Pesquisas tem implicado PLA2 na fisiopatologia das doenças neurodegenerativas, como esclerose múltipla (MS) e a doença de Alzheimer (AD). Esclerose múltipla envolve mecanismos de antígeno-específicas e componentes do sistema imune inato que resultam em resposta inflamatória. Atividade de PLA2 elevada foi descoberto que é contínuo em pacientes cm MS, com os mais altos níveis medidos em pacientes com doença progressiva. No desenvolvimento da doença de Alzheimer, os níveis anormais de PLA2 parecem estar relacionados a vias de sinalização oxidativas envolvendo NADPH oxidase e produção de espécies de ROS que levam ao comprometimento e a destruição de neurônios e inflamação das células gliais.

Inflamação é a marca registrada da artrite reumatóide (ar), uma doença auto-imune que destroi a articulação. PLA2 encontra-se no líquido sinovial de indivíduos afetados por RA e na cartilagem dos pacientes em comparação com a cartilagem de indivíduos osteoartríticos e normais.

Medição da PLA2 está emergindo como uma importante ferramenta para avaliar o risco de doenças cardiovasculares (DCV), incluindo futuro acidente vascular cerebral, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e outros eventos vasculares. PLA2 parece ser mais específico do que a PCR para o risco de DCV e também pode ter um papel fundamental como mediador da patologia cardiovascular. Na aterosclerose, PLA2 não só ativa macrófagos e formação de célugas esponjas, mas também hidrolisa LDL e HDL, aumentando o número de partículas de LDL pro-aterogênico e prejudicando o HDL anti aterogênico. Atividade de PLA2 pode precipitar sangramento do ateroma.

PLA2 é expressa normalmente no pâncrea, vesícula biliar e células epiteliais GI, mas é significativamente aumentada em transtornos inflamatórias gastrointestinais. Em colite ulcerativa e doença de Crohn, todos os tipos de células intestinais aumentam a expressão de PLA2, que aumenta a permeabilidade do intestino e pode realmente contribuir para a infecciosidade.

FOSFOLIPASE A2 E CÂNCER

Elevações de PLA2 foram encontradas em câncer do estômago incluindo adenomas Colônico e carcinomas e carcinomas do pâncreas ductogenic, entre outros. Pacientes com tumores de pulmão positivos para PLA2 tinham uma taxa de crescimento do tumor elevado e uma taxa de sobrevivência significativamente reduzida. Pacientes com câncer de pulmão também tinham níveis mais altos de PLA2 no plasma comparando com pacientes com nódulos benignos. Um padrão semelhante foi observado no câncer da próstata, embora tumores metastáticos expressaram PLA2 mais baixos do que os tumores primários. Como PLA2 libera ácido araquidônico e outros ácidos graxos das membranas celulares, iniciam a produção de eicosanóides que são promotores tumorais.  Em câncer, a disseminação de células tumorais de um tumor primário para os locais secundários dentro do corpo é um processo complicado que envolve proliferação celular e migração, degradação das membranas de base, invasão, adesão e angiogênese. Pesquisa contínua na expressão de PLA2 em câncer certamente irá revelar novas informações valiosas.

O QUE BAIXA A FOSFOLIPASE A2?

 

Glicocorticóides como o hormônio natural cortisol e agentes farmacêuticos como dexametasona inibem a produção de fosfolipase, diminuindo os danos causados pela enzima, mas também diminuem os benefícios da enzima em matar micro-organismos nocivos. Assim, os glicocorticóides em excesso podem reduzir a inflamação em um paciente com tuberculose, reduzindo também os efeitos da PLA2 contra as bactérias, resultando na disseminação da doença. Lítio em doses farmacológicas, carbamazepina e cloroquina antimalárico são todos os inibidores de PLA2. A vitamina E também é um inibidor de PLA2. Além disso, o ácido eicosapentaenóico (EPA) e docosahexaenóico (DHA) (pertencentes à classe dos ácidos graxos ômega-3) inibem PLA2.

 

Citidina 5-difosfocolina (CDP-colina), um precursor na formação de fosfolipídios, é um potente inibidor da PLA2 que tem sido usado como um suplemento nutricional em doses variando entre 4000-500 mg / dia no tratamento de pacientes com uma variedade de distúrbios, incluindo a doença de Parkinson, distúrbios de memória, danos cognitivo vascular, demência vascular, demência senil, esquizofrenia, doença de Alzheimer (especialmente eficaz naqueles com genótipo do apolipoprotein Épsilon-4 E) , traumatismo craniano e acidente vascular cerebral isquêmico.  Um ensaio em pacientes com doença de Alzheimer indicou que Citicolina (1.000 mg/dia) é bem tolerada e melhora o desempenho cognitivo, perfusão sanguínea cerebral e o padrão de atividade bioelétrica cerebral. Nenhum efeito colateral foi notado nas doses mais baixas de CDP-colina e apenas alguns sintomas leves gastrointestinais foram encontradas usando doses mais elevadas. Nenhum valores de química sérica ou hematologia anormal foram encontrados após o uso de CDP-colina.

 

TESTE DE FOSFOLIPASE A2

Porque PLA2 é uma enzima relativamente pequena (cerca de 14 KD), que é capaz de ser excretado na urina. 10 ml da primeira urina da manhã em jejum é sugerida para o ensaio. Não há restrições dietéticas. Este teste é conveniente e é recomendado ser realizado junto com o teste de ácidos orgânicos.  Uma vez que os agentes quelantes podem interferir com o ensaio, eles não devem ser usados durante pelo menos 48 horas antes do teste.

TESTE DE FOSFOLIPASE A2 É RECOMENDADO PARA OS SEGUINTES TRANSTORNOS:

  • Esclerose múltipla
  • Artrite reumatóide
  • doença de Crohn
  • Pancreatite
  • Colite ulcerativa
  • Alergias
  • Doenças cardiovasculares, incluindo aterosclerose
  • Doenças neurodegenerativas
  • Esquizofrenia
  • Depressão bipolar, subtipo com a psicose
  • A infecção por cândida
  • Sepsia
  • Depressão a longo prazo
  • Asma
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

REQUISITOS DAS AMOSTRAS

Urina: 10 ml da primeira urina da manhã antes de alimentar ou bebida é sugerido.

Código CPT

  • 84999