forex trading logo

 A Autismo Infantil, através do Laboratório Great Plains oferece exames especializados para o tratamento biomédico do autismo e outros transtornos. Somos o lider mundial em exames laboratoriais para o autismo.


Siga-nos em Facebook

Facebook Image

Siga-nos no Twitter

Twitter Image

LIVROS SOBRE AUTISMO

Pessoas em Nosso Site

Nós temos 28 visitantes online

Vídeos Sobre Autismo

Home Entrevista com o Dr. Shaw
PDF Imprimir E-mail

ENTREVISTA COM DR. SHAW

 Dr. Shaw discute o efeito de metabolites microbial no autismo, e em problemas de desenvolvimento.

    Esta entrevista é Recomendável para pessoas que estiverem procurando por Informação em doenças intestinais, em cândida, e em disbiose (e links para esses assuntos).

Dr. Shaw discute o efeito de metabolites microbial no autismo, e em problemas de desenvolvimento.

    Esta entrevista é Recomendada para pessoas que estão procurando por Informação sobre doenças intestinais, em cândidiáse

     Como você começou a ficar interessado em como os microorganismos de metabolites urinário afetam a saúde humana?

   Eu tornei-me interessado em usar espectrometria da cromatografia-massa de gás (GC/MS) , para detectar metabolites microbial anormais quando eu trabalhava no Centro para o Controle das Doenças (CDC). No CDC, o GC/MS foi usado para identificar as espécies de culturas puras de bactérias isoladas. Eu quis saber porque não se podia testar diretamente líquidos do corpo humano para detectar microorganismos. Mais tarde, ao trabalhar no “Children Mercy Hospital” um hospital infantil, no Hospital Pediátrico da Universidade de Missouri, e na Escola de Médicina da cidade de Kansas, fiquei interessado nesse assunto , quando avaliei dois irmãos que tinham tanto autismo, quanto fraquezas ocasionais dos músculos(Clin Chem 41:1094-1104,1995).

  Sabendo, que erros congênitos do metabolismo são associados com a fraqueza do músculo, (retira o eu, sujeito oculto) procurei características associadas com os metabolites, mas foram todas negativas. Então percebique que diversos compostos incomuns estavam constantemente elevados e que nenhum desses compostos eram adequadamente descritos na literatura médica.

  Alguns colegas no campo de doenças metabólicas, disseram que esses compostos eram provavelmente da flora intestinal (microorganismos). Uma vez que diversos destes compostos eram análogos (de forma alterada) aos compostos normais do ciclo de Krebs, eu pensei que estes compostos pudessem ser significativos, talvez como anti-metabolitas. Ao mesmo tempo, estava testando a distorção de uma cultura média, de um grande número de bactéria e levedura colhidas do intervalo gastrointestinal humano a fim encontrar quais compostos eram derivados de levedura e de bactérias.

  Durante o mesmo período, eu comecei um estudo colaborativo de amostras de avaliação urinária , em pacientes com esquizofrenia obtida pelo Dr. Gattaz , no Instituto Mental Central de Saúde da Alemanha em Mannheim. Estas amostras eram muito valiosas desde que foram obtidas dos pacientes que estavam sem tomar medicamentos. Assim, todas as anormalidades bioquímicas seriam devido a sua condição e não a um efeito de medicamentos.

   Uma criança com reação psicótica aguda foi analisada quando estava relativamente bem e re-analisada durante uma reação psicótica , se percebeu que ela tinha um nível de compostos derivado de tirosina muito mais alto de quando ela estava bem. Um colega no campo sugeriu que este composto fosse derivado dos microorganismos no intestino.

   O composto que foi detectado em alto nível nessa criança durante a reação psicótica, é também encontrada em alta porcentagem em adultos com esquizofrenia.   Sabendo que a tirosina é o material cru usado pelo corpo para a produção dos neurotranmissores, eu suspeitei que este produto pode ser muito importante.

    Quando você começou a suspeitar sobre a conexão entre enfermidades humanas e as anormalidades de levedura no metabolismo de ciclo de krebs?

    O composto que me levou à descoberta foi o ácido tartárico. Os irmãos com autismo e fraqueza severas nos músculos , tiveram valores extremamente elevados de ácido tartárico na urina. Uma outra criança com autismo teve um valor de ácido tartárico na urina 600 vezes mais altos , do que aquele de crianças normais.

    A única fonte de ácido tártaro é a levedura. Este composto dá forma a uma lama , no processo de fermentação de vinho e tem que ser removido. O vinho é uma produto de açúcar fermentado e transformado em álcool e outros produtos. Os seres humanos não produzem este material.

   Quando eu observei os dados médicos de diversas outras crianças com autismo, percebi que eles tinham anormalidades semelhantes e imediatamente percebi uma conexão possível da causa. A etapa seguinte pareceu óbvia. Se estes compostos fossem da levedura e estivessem causando alguns dos sintomas do autismo, as drogas antifúngicas que matam o levedura deveriam reduzir alguns dos sintomas do autismo.

   Nesse mesmo tempo um menino, de dois anos de idade sendo avaliado por autismo no hospital onde eu trabalhava e eu tinha feito apenas um teste de ácido orgânico , a criança desenvolveu-se normalmente até aproximadamente 18 meses de idade e teve um vocabulário de 100 palavras. Foi tratado diversas vezes por infecções de ouvido com antibióticos e desenvolveu o tordo (uma infecção de cândida ou de levedura na boca e na língua).

   Seu comportamento deteriorou bastante após isso. Perdeu toda a linguagem, e tornou-se extremamente hiperativo, ficava acordado a noite toda, e perdeu todo o contato de olho com seus pais sendo diagnosticado com autismo. Seus ácidos orgânicos os quais eu pensei que eram devido à levedura, incluindo o ácido tartárico eram super elevados. O neurologista do hospital , não quis prescrever a droga antifúngica nistatina para a criança, então eu e os pais dele convencemos um pediatra em outro hospital a prescrevê-la. O contato de olho entre a criança e os pais voltou no dia seguinte, e o níveis de ácidos orgânicos diminuiram rapidamente, apesar de levar cerca de 60 dias para retornar ao nível normal. O ácido tartárico é um tóxico para os músculos e até 12 gramas tem sido provado ser fatal para seres humanos. (um grama é mais ou menos o peso de um cigarro.).

   O ácido tartárico é também extremamente elevado em muitos pacientes com fibromialgia que têm também dores de músculo e das juntas. Uma porcentagem grande de pacientes com fibromialgia responde favoravelmente à tratamento com ácido málico. O ácido tartárico é um análogo ( relativo químico próximo) do ácido málico. O ácido málico é uma chave intermediária no ciclo de Krebs, um processo usado para a extração da maioria da energia no nosso alimento. No entanto o ácido tartárico é tóxico porque inibe a função bioquímica do composto normal, ácido málico normal. Eu presumo que os suplementos do ácido málico podem superar os efeitos tóxicos do ácido tartárico pela competição no nível do enzima.

  Nestes dois irmãos com características autisticas, você poderia explicar de onde estes metabolites do ciclo de Krebs vieram e como podem afetar o comportamento?

   A maioria dos metabolites anormais são quase sempre de levedura e/ou dos fungos no intervalo gastrointestinal, desde que esses declinam seguindo uma droga antifúngico, a Nistatina que não é absorvida pelo sangue.

  Muitas, mas não todas as crianças autistas têm casos de infecções freqüentes (especialmente inflamação no ouvido) que são tratadas com antibióticos de largos espectros. Um pai relatou que sua criança teve 50 infecções de ouvido consecutivas antes que de completar 5 anos de idade.

    Algumas crianças, entretanto, podem ter elevado o nível de metabolites após apenas uma única exposição antibiótica. Mais de 700 artigos na literatura médica denuncia m o estímulo de antibióticos no desenvolvimento de levedura.


   Como ambos os sintomas iniciais e a alta freqüência de infecções de ouvido são associados com a severidade maior de autismo (J Autism & Dev Dis 17:585,1987), uma conexão com levedura vale a pena investigar.

Muitas crianças com autismo se desenvolvem normalmente e depois regridem. Esta regressão é associada frequentemente com o tordo (uma infecção de levedura na boca e na língua) e/ou o uso freqüente antibiótico.

Muitas crianças que usam antibióticos nunca desenvolvem autismo. isto não desaprova sua hipótese?

   Muitos fumantes nunca desenvolvem o câncer de pulmão e uma pequena porcentagem de pessoas que desenvolvem o câncer de pulmão nunca fumou. No entanto, há pouca dúvida que fumar causa o câncer de pulmão. Quem começa o câncer de pulmão e quem sobrevive depende de outros fatores genéticos e ambientais.

  Eu descobrir que estes metabolites não são específicos para o autismo mas podem também serem associados com outras condições neurológicas tais como o Transtorno Invasivo do Desenvolvimento, as apreensões, as inabilidades de aprendizagem, ou outros distúrbios de linguagem. Em um par de gêmeos idênticos, um dos gêmeos era autista enquanto o outro não era, mas tinha a dificuldade de falar.

  Os fatores que influenciaram as circunstâncias que estão presente s, provavelmente incluio nível de qual metabolites que estão elevados, quão alta suas concentrações são, quanto tempo a exposição a estes produtos dura, o número de exposições, e a diferença na habilidade de desintoxicar estes produtos.

  Outros fatores modulado s significativos no autismo , e outras doenças relacionadas à levedura são as imunodeficiências , que são muito comuns no autismo e podem estar presente em outros enfermidades também. Alguns indivíduos podem ser tão imunodeficiêntes que mesmo uma única exposição antibiótica pode alterar o flora do intestinal significativamente

   O médico Sudhir Gupta, um imunologista clínico em Califórnia estima que uma grande porcentagem de crianças autistas têm uma significativa disfunção imune e pode incluir a deficiência de mieloperoxidase, um déficit genético que retarda o combate a levedura pelos glóbulos brancos do sangue, pela deficiência de IgA, pela deficiência de complemento C4b, pela deficiência de IgG, ou pela deficiência na subclasse de IgG.

  Em um caso, Gupta obteve o remissão completa do autismo por infusão de globulina gama (um concentrado de anticorpos humanos). Eu assisti fitas de vídeo desta criança antes e depois e a transformação é notável.

  As toxinas ambientais , podem também ser importantes em enfraquecer o sistema imunológico. Os jornais estão cheios de reportagens de incidentes na vida marinha onde focas, golfinhos, e peixe s com infecções incomuns ou tumores depois de serem expostos a PCB's e a outras toxinas.

  Meu médico diz que todos têm levedura em seus intestinos e se a levedura for a causa de todos estas enfermidades, então todos poderiam esta afetados adversamente. Como você responde a essa afirmação?

   A pergunta mais importante não é se a levedura está presente ou não. Os fatores críticos são a quantidade de levedura , e os tipos e quantidades de produtos tóxicos que produzem.


  Todos nesta sociedade têm o monóxido de carbono em seu sangue e pode tolerar um valor baixo. Quando a quantidade de monóxido de carbono aumenta, alguns indivíduos sentem-se comprimidos, alguns têm dores de cabeça, alguns sentem dores no peito ou na angina, alguns sentem náusea e vômitos, alguns se sentem tontos a ponto de desenvolverem escuridão da vista. Enquanto os valores aumentam, os sintomas podem incluir convulsões , coma, a(tira o “a”) falha respitatória, e a morte. Os indivíduos que recuperam-se do envenenamento severo do monóxido de carbono podem sofrer os danos neurológicos residuais.

    Pessoas diferentes respondem diferente à mesma concentração de monóxido de carbono. É surpreendente que essa exposição em uma larga escala de produtos tóxicos de levedura em horas diferentes e em idades diferentes podem produzir sintomas diferentes.

   Se eu sugerisse que havia uma conexão de monóxido de carbono com todos os sintomas diversos associados com a exposição ao monóxido de carbono, ninguém ia me desafiar. A razão pela qual a conexão de monóxido de carbono é aceita é porque ele pode facilmente ser medido no sangue. Os produtos tóxicos de levedura acabaram de ser descobertos, mas enquanto nosso conhecimento sobre eles cresce, a aceitação das doenças levedura-relacionadas também aumentará.

   O filósofo Schopenhauer disse : " toda a verdade atravessa três estágios. Primeiramente, é ridicularizada. Então, é combatida violentamente. Finalmente, aceita-se como evidência própria. " Dentro de cinco anos, as pessoas que ignoraram a importância de doenças levedura-relacionada estarão no mesmo acampamento com as aquelas na sociedade de Flat-Earth (Terra-Plana).

Que condições nos adultos são associadas com os produtos anormais de levedura e de bactérias no intervalo gastrointestinal?

    As condições em adultos incluem a fibromialgia, a síndrome crônica de fatiga, a esquizofrenia, a distúrbio de déficit da atenção em adultos, o lúpus eritematoso sistêmico, a doença inflamatória do intestino, a colite, a cistite intersticial, a depressão ( unipolar e bipolar), a esclerose múltipla, e a infecção de HIV. Eu não digo que todas essas enfermidades são causadas por microorganismos gastrintestinais anormais, mas alguns dos sintomas provavelmente são exacerbados por este problema em muitas destas circunstâncias , e podem certamente ser causadoras de uma boa parcela desas enfermidades.

    Qual é o papel do metabolismo de levedura a respeito a metabolites urinários e seus efeitos no metabolismo do corpo?

   É possível que diversos dos metabolites de levedura inibam o ciclo de Krebs , e assim a produção de energia geral de células. A concentração elevada de açúcar incomum de arabinose , levedura e/ou do ácido tartárico elevado s pode m inibir a gliconeogênese, o processo pelo qual o corpo reserva o açúcar do sangue quando começa a ficar muito baixo.

  Certamente, uma criança autista com a arabinose elevada (40 vezes o limite normal) ficará severamente hipoglicêmica , (glicose do sangue 20-50mg%; e o normal é magnésio 100mg %) quase todo o tempo.

  Muitos pacientes com fibromialgia têm hipoglicemia significativa. A hipoglicemia severa , pode danificar altamente a função neurológica. Além disso a arabinose pode ter outras funções tóxicas desconhecid as. Eu analisei crianças que perderam o contato de olho com a mãe, um sintoma avançado do autismo, após a administração antibiótica. Nistatina fez com que o contato de olhe retornasse.

 Eu penso que a levedura e seus produtos bioquímicos , estão relacionados causalmente ao autismo e a muitas outras enfermidades, mas pode levar mais de uma de década para estar provado conclusivamente. Não acho que temos recursos para dispormos de todos dados antes de agirmos.

    É possível que o tratamento antibiótico possa marcar o in ício de super produção de metabolites urinários?

   Certamente. A indústria farmacêutica soube a respeito do problema de intestinos relacionados com levedura nos anos 50 , quando os antibióticos orais foram introduzidos. Um número de antibióticos combinados com a droga antifúngico Nistatina , foi produzido nos anos 50 mas o uso destes produtos da combinação foi banido pela (Food and Drug Association) FDA que protestou para que esses produtos não fossem usados no uso profilático.

    Como se pode reduzir medicamentos, diétas , ou substâncias naturais , se estes metabolites urinários que são associados com levedura cuasam doenças?

Qualquer droga antifúngico pode ser eficaz, mas nistatina é uma das mais populares. Virtualmente , cada droga antifúngico está sendo usada por médicos reconhecidos para tratar o autismo , incluindo o fluconazole (Diflucan), o ketoconazole (Nizoral), e o Sporonox, o Lamisil, e o amphotericin B.
  Um grande número produtos das lojas de alimentos naturais são antifúngicos incluindo o alho, o extrato da semente do toranja, e o ácido caprílico. As bactérias acidophilus e relacionadas ao lactobacillus (lactobacilos) parecem também ser úteis.

   O William Crook, autor da The Yeast Connection “conexão de levedura” falou sobre a limitação do açúcar dietético que é importante em reduzir a super produção de levedura. Em estudo conduzido em uma escola para crianças autistas em Montreal, algumas melhorias nos sintomas foram encontradas com limitações somente em dieta.

     Assim, na realidade nós estamos dizendo que uma flora intestinal impróprio ou disbiose , pode levar a enfermidades neuropsiquiátricas tais como a esquizofrenia e TID?

   Sim, parece ser o caso. A última metade do século XX poderia ser denominada , a era dos antibióticos. O século seguinte será envolvido em desenvolver os novos tratamentos antimicrobiais (probióticos ou bactérias benéficas) ou as outras terapias que têm menos potencial para prejudicar o flora normal. Pasteur e outros , descobriram que as tensões letais das bactérias que causam o anthrax poderiam ser inofensivas se aos animais fossem dados outras bactérias benignas simultaneamente.

    Essa descoberta da algum crédito à popularidade das enfermidades de levedura s e à de Nistatina, em reduzir um parâmetro largo dos sintomas, alguns dos quais incluem o comportamento ou problemas psiquiátricos?

 Certamente. Eu fiz testes em pacientes com virtualmente cada enfermidade mencionado na conexão de levedura e encontrei a evidência de metabolites microbia is anormais em todos .

   Em sua opinião, o uso desordenado de antibióticos pode ser um fator significativo em problemas leveduar-relacionados?

   Certamente. Os dados de Bernard Rimland indicam um aumento significativo em casos novos do autismo. Foi durante este mesmo período que o uso dos antibióticos aumentaram. Os estudos ligaram freqüentes infecções do ouvido com a hiperatividade do déficit da atenção. Inúmeros estudos indicam que o desenvolvimento normal esteve interrompido pela perda provisória da capacidade de ouvir, mas eu penso que a função da disbiose deveria realmente ser examinada , e conseqüentemente vai ser provado que foi bastante significativo.

  Poderia antifúngico e outros patogênicos causarem metabolites semelhantes , que podem afetar a saúde de indivíduos?

Sim, parece que determinados membros da família dos clostridia produzem os derivativos anormais da tirosina que podem influenciar o comportamento. A outra espécie incomum de bactérias tais como a Propionobactéria pode ser importante em outras enfermidades , tais como a síndrome de Tourette e o transtorno obsessivo compulsivo.


Nós descobrimos que determinados metabolites que não foram reduzidos por drogas antifúngicas foram eliminados completamente pelo metronidazole (Flagyl) ou pelo vacomycin. Alguns dos indivíduos com estes metabolites são positivos nos imunoteste para o clostridium difficile, um organismo que prolifera com o uso freqüente de antibióticostais como penicillina e o tetraciclina.

   Os sintomas clínicos nos pacientes com níveis extremamente elevados destes metabólito bacterianos são às vezes muito incomuns. Uma mulher com níveis muito elevados teve uma convulsão após cada refeição por um período de diversos meses que seguiram uma terapia antibiótica. Por volta de 50% dos esquizofrênicos têm níveis elevados de metabólito bacterianos . Um paciente com esquizofrenia teve os metabolites de levedura e bactérias em sua urina que eram cinqüenta vezes o limite superior do normal. Sabe-se a anos que muitos pacientes com esquizofrenia tiveram níveis elevados de uma enzima chamada CPK-MM em seu sangue durante uma reação psicótica aguda. CPK-MM é uma enzima derivada do tecido do músculo; a enzima é expulsa do músculo danificado, eu penso que estes casos podem ser causados por níveis elevados do ácido tártarico que intoxica o músculo.

    O psiquiatra Richard Jaeckle MD que trabalha em Dallas, Texas, descobriu que poderia tratar alguns casos do psicose aguda com as drogas e/ou as injeções de desensetização antifúngicas. O Dr. Jaeckle sugere que a elevação de ácido úrico , CPK, e a contagem dos glóbulos brancos do sangue na psicose são indicativos de uma etiologia de levedura. Quando nós fizemos testes longitudinais, os sintomas clínicos se agravaram paralelos ao aumento da excreção de metabolites. Altas doses de L. acidophilus podem ser igualmente eficazes como o metronidazole em reduzir estes produtos anormais da tirosina.

   Metronidazole tem muitos efeitos colaterais e eu não o recomendo a menos que outras terapias mais seguras falhem . Além disso, o metronidazole pode afetar o equilíbrio ecológico no intervalo gastrointestinal e conduzí-lo a um crescimento de levedura sem controle. Não há nenhuma necessidade em erradicar um organismo completamente; há uma nescessidade grande em restaurar o equilíbrio e as bactérias benéficas que trabalham bem, embora doses elevad as possam ser necessária por períodos em um intervalo de tempo curto para casos de disbiose microbial mais severo.

    Que tipo de pesquisa você gostaria que esclarecesse a função dos antibióticos, a disbiose ou crescimento fúngico anormal e seu relacionamento `as enfermidades neuropsicológicas nas crianças?

   Eu gostaria de ver um estudo epidemológico efetivo feito pelo Centro para o Controle da Doenças (CDC) em que estes metabólitos microbiais foram testados em uma população grande de recém-nascidos, digo 20.000 e então verificadas novamente , mensalmente por cinco anos. Eu suspeito que a incidência de transtorno de desenvolvimento e disturbios neurológicos significativos tais como apreensões, TID, e o autismo seria m muito mais elevado s no grupo com uso mais freqüente de antibióticos e que as crianças que apresentam problemas neurológicos e de desenvolvimento teriam sido expostas a uns níveis muito mais elevados dos metabólitos.

  Por que a terapia de droga antifúngica deve ser contínua por muito tempo em muitas pessoas com enfermidades de levedura?

   Ninguém sabe por certo. A maioria dos médicos que têm usado drogas antifúngicas para tratar o autismo , prescrevem geralmente por seis meses ou mais , e tratamento semelhante pode ser usado em outros pacientes com enfermidades de levedura-relacionados.

   Diversos fatores são importantes, incluindo a resistência à droga, exposições ambientais tóxicas, enfraquecimento do sistema imunológico por vírus, a dieta elevada em açúcar pela maioria dos Americanos, e as toxinas de levedura que suprimem o sistema imunológico.

   Pessoas com infecção de HIV têm freqüentemente problemas com candidíase e pacientes em quimioterapia tem infecções de levedura e fúngicas com freqüencia devido ao enfraquecimento do sistema imunológico. Muitas tensões de cândida produzem gliotoxinas, compostos que fragmentam o DNA dos glóbulos brancos do sangue, conduzindo a um a depressão do sistema imunológico. As deficiências (genéticas) congênitas do sistema imunológico são também muito importantes em determinar quais os indivíduos que são mais suscetíveis às doenças relacionadas à levedura. A toxidade do mercúrio pode também causar problemas recorrente s de cândida.

   Eu não compreendo porque a levedura teria qualquer coisa a ver com doenças autoimunológico como o erythematosus systemic do Lúpus. Será que você poderia oferecer uma explicação?

A febre reumática é uma doença autoimunológica que envolve a inflamação do coração, de juntas, e de outros tecidos. Esta doença segue frequentemente a inflamação da garganta (strep). Alguns dos antígenos streptococcos são semelhantes ao tecido do coração. Quando, o sistema imunológico reage contra o strep, os anticorpos reagem também de contra ao coração.

   A situação com cândida é muito semelhante. A cândida possui proteínas em sua superfície que são semelhantes a muitos tipos de tecido humano. Quando o corpo monta uma resposta imunológica contra a candida, alguns dos anticorpos podem reagir contra a placenta, o ovário, a ad-renal, o thymus, o fígado,o pâncreas,o bílis, e cérebro

 


Fornecido por Children Template Joomla, Windows 7 Beta 32-bit. Designed by: Free Joomla 1.5 Theme, perl hosting. Valid XHTML and CSS.